Calçadas e ciclovias qualificadas favorecem mobilidade saudável

261
Avenida Getúlio Vargas (Foto: Valdecir Galor/Secretaria Municipal de Comunicação Social)
Publicidade

Entre 2017 e 2020, a Prefeitura de Curitiba implantou ou realizou melhorias em 25.270 metros de calçadas que servem a pedestres de bairros curitibanos. Mais 22.164 metros estão recebendo obras neste momento, favorecendo a infraestrutura de outras localidades da capital paranaense.

“Entre obras implantadas e em execução, a cidade tem quase 50 quilômetros de novos passeios acessíveis. São intervenções orientadas no plano do prefeito Rafael Greca para favorecer o caminhar seguro e a contemplação do espaço urbano”, disse Rodrigo Rodrigues, secretário municipal de Obras Públicas.

Além das obras já realizadas e em curso, os investimentos da Prefeitura para favorecer a mobilidade não motorizada, com calçadas acessíveis e novos ramais cicloviários serão ainda ampliados com o Programa Caminhar Melhor, que garantirá investimentos de R$ 40 milhões e mais avanços a quem opta por fazer seus deslocamentos a pé ou de bicicleta, caminhando ou pedalando para ganhar saúde e respeitar dias como este 22 setembro, quando é celebrado o Dia Mundial Sem Carro.

Publicidade

As intervenções já concluídas pela Prefeitura no Uberaba, Cidade Industrial de Curitiba (CIC), Tarumã, Santa Felicidade, Tatuquara, Bairro Alto, Seminário, São Francisco, Alto da Glória, Mossunguê e Centro garantem condições mais adequadas aos pedestres que transitam na marginal da BR-277, pelas alças da trincheira da Ceasa, entre as estações Vila Olímpica e Fagundes Varela, na Linha Verde, na região no entorno da trincheira da Rua General Mário Tourinho, na Avenida Manoel Ribas, na Rua Raul Pompeia e nas vias de acesso ao elevado e nas ruas Governador Agamenon Magalhães, Trajano Reis, Padre Camargo, Deputado Heitor Alencar Furtado, Luiza Mazetto Baggio, São Francisco, Voluntários da Pátria e Doutor Leão Mocellin.

Avenida Manoel Ribas, no bairro Santa Felicidade (Foto: Daniel Castellano/Secretaria Municipal de Comunicação Social)

Em execução existem serviços no Atuba, Portão, Pinheirinho, Bairro Alto, Pilarzinho e CIC, atendendo o norte da Linha Verde, o eixo do Ligeirão Norte-Sul nas avenidas República Argentina e Winston Churchill, os arredores da trincheira da Rua Fúlvio José Alice sob a Linha Verde, a Cruz do Pilarzinho e a Rua Eduardo Sprada.

De acordo com o secretário municipal de Obras Públicas, o trabalho de requalificação e implantação de calçadas atende as determinações do prefeito Rafael Greca de fornecer as melhores condições possíveis aos pedestres e assim também incentivar as caminhadas, bem como acata os pedidos feitos pela população por meio da Central de Atendimento 156 e via programa Fala Curitiba.

“Além de fazer as obras necessárias para garantir o caminhar seguro e mais confortável em calçadas da cidade, aliamos a implantação de passeios melhores junto às grandes obras, como acontece na Linha Verde, no eixo de transporte coletivo entre a Praça do Japão e o Terminal Pinheirinho e, também, como já feito na construção da trincheira no encontro da Rua General Mário Tourinho com a Avenida Nossa Senhora Aparecida”, apontou Rodrigo Rodrigues.

Caminhar Melhor

Para ampliar as intervenções e tornar o calçamento de Curitiba mais seguro, acessível e confortável, a Prefeitura de Curitiba lançou em fevereiro deste ano o projeto Caminhar Melhor, como parte do Programa de Mobilidade Urbana contemplado no Plano de Governo para a gestão 2021-2024.

A contratação dos serviços está sendo coordenada pela Secretaria Municipal de Obras Públicas e as primeiras intervenções entraram na fase final do processo licitatório. São elas: Avenida do Batel, entre as ruas Desembargador Motta e Carneiro Lobo; Rua Doutor Bley Zorning, entre a Avenida Marechal Floriano Peixoto e a Rua William Boot; Rua Kellers, entre a Alameda Doutor Muricy e a Rua Desembargador Ermelino de Leão; e Rua Cândido Lopes e Alameda Doutor Carlos de Carvalho, entre a Praça Tiradentes e a Rua Visconde de Nácar.

Também já estão autorizadas as licitações de intervenções em trechos das vias Major Heitor Guimarães, no Campina do Siqueira; Doutor Goulin, no Hugo Lange; Francisco Alves Guimarães, no Cristo Rei; Eduardo Afonso Nadolny, na Cidade Industrial de Curitiba; e João Parolin, no Parolin.

Em fase de projeto do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) estão mais 21,5 quilômetros de novas calçadas em toda a cidade. Segundo o prefeito Rafael Greca, o modelo dos passeios vai privilegiar a acessibilidade e facilitar o acesso ao comércio e aos serviços na região central da cidade e nos centros de bairro.

Novas calçadas

Neste primeiro lote, além de novas calçadas e paisagismo, os projetos incluem a requalificação das vias, drenagem, sinalização viária horizontal, vertical e semafórica, iluminação pública, contenção e infraestrutura para rede de fibras óticas.

Alcançam também a Rua David Tows, no Sítio Cercado, no trecho entre a Rua José Bassa e a Rua Izaac Ferreira da Cruz. Na mesma região estão incluídas obras na Rua Izaac Ferreira da Cruz, no trecho entre a Rua Filósofo Humberto Rohden e Rua David Tows.

Para o Xaxim, estão programadas obras na Rua Primeiro de Maio, no trecho entre as ruas Augusto Dallegrave Figueiredo e a BR-116.

Na Cidade Industrial de Curitiba, as intervenções serão na Rua Desembargador Cid Campelo, no trecho entre a Rua Professor Algacyr Munhoz Mader e a Rua Rodrigo Faiçal Zeni. E também na Rua Léa Moreira de Souza Moura, no trecho entre a Rua Shirlei Solange Montovani e Rua Padre Gastón.

No Cajuru, as melhorias serão feitas na Rua Niterói, entre a BR-277 e a Rua Trindade.

Região Central

Para a região central, as melhorias nas vias e calçadas serão feitas na Rua João Negrão, entre a Rua XV de Novembro e a André de Barros; na Rua Cruz Machado, entre a Praça Tiradentes e Avenida Visconde de Nácar; na Rua Desembargador Ermelino de Leão, entre a Avenida Jaime Reis e a Rua Kellers; na Avenida Jaime Reis, entre a Rua Desembargador Ermelino de Leão e a Alameda Doutor Muricy; na Alameda Doutor Muricy, entre a Jaime Reis e Rua Kellers; na Rua Trajano Reis, entre a Praça do Gaúcho e a Rua Inácio Lustosa e o no trecho entre a Rua Presidente Carlos Cavalcanti e o Largo da Ordem.

Também estão incluídas a Rua Voluntários da Pátria, entre a Praça Osório e Rua Saldanha Marinho; a Rua Cândido Lopes no trecho da Praça Osório; a Rua Saldanha Marinho, entre a José Bonifácio e a Fernando Simas; e a Alameda Prudente de Moraes, no trecho entre a Travessa dos Editores e a Alameda Carlos de Carvalho. E ainda a Rua Emiliano Perneta, no trecho entre a Praça Zacarias e a Rua Benjamin Lins.

Estão relacionadas para receber obras a Avenida Sete de Setembro, entre o Largo Baden Powel e a Rua Ubaldino do Amaral; a Rua Francisco Torres, entre a Avenida Visconde de Guarapuava e a Avenida Presidente Affonso Camargo; a Rua Doutor Faivre, entre as avenidas Visconde de Guarapuava e Presidente Affonso Camargo; a Rua General Carneiro, entre as avenidas Visconde de Guarapuava e Presidente Affonso Camargo; a Rua da Paz, desde a Avenida Visconde de Guarapuava até a Avenida Presidente Affonso Camargo.

Na região do Bacacheri, serão feitas obras na Rua Estados Unidos, entre as ruas Costa Rica e a Avenida Prefeito Erasto Gaertner; na Rua Holanda, entre as ruas Costa Rica e Erasto Gaertner e na Rua Prefeito Erasto Gaertner, ao longo de um quilômetro, entre as ruas Flávio Dallegrave e Álvaro Botelho e ainda na Rua México, no trecho entre a Avenida Erasto Gaertner e Rua Coronel Temístocles de Souza Brasil.

Ciclomobilidade

Além das melhorias em calçadas, para estimular a mobilidade ativa, Curitiba também tem investido na qualificação e ampliação da estrutura voltada a quem se locomove de bicicleta. Em menos de dois anos, a malha cicloviária de Curitiba passou de 208 quilômetros para 249,2 quilômetros.

Projetos para outros 35 quilômetros estão prontos, com novas ligações nas regiões dos bairros Cidade Industrial de Curitiba, Bacacheri e Sítio Cercado e do Água Verde ao Pinheirinho, desde a Praça do Japão ao Terminal Pinheirinho.

A meta é alcançar, até o ano de 2025, um total de 408 quilômetros de estruturas voltadas para quem anda de bicicleta. Nas implantações estão previstos tipos diversos de estruturas cicloviárias, entre ciclovias, ciclofaixas, ciclofaixas sobre a calçada, vias compartilhadas, ciclorrotas e passeios compartilhados.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui