Entenda por que a mobilidade urbana de Curitiba é exemplo!

Transporte público da capital paranaense é destaque no Brasil e no mundo

3707
Santa Cândida Capão Raso
Foto: Lucília Guimarães/Secretaria Municipal de Comunicação Social
Publicidade

Desde quando os veículos começaram a se popularizar como meio de transporte no Brasil, uma das maiores preocupações das prefeituras é ter uma boa a mobilidade urbana.

Evitar engarrafamentos em horários de pico e atrasos com o transporte público sempre foram grandes problemas que geram tempo e planejamento para serem resolvidos.

Porém, apesar de alguns poucos problemas, Curitiba é uma referência em todo mundo quando o assunto é mobilidade urbana devido às suas linhas de ônibus.

Publicidade

Mesmo com um transporte público exemplar, a cidade ainda é ótima para andar de carro ou moto.

Por isso, se você procura por carros à venda em Curitiba, não fique com o pé atrás, a capital paranaense ainda é ótima em conforto e comodidade para você dirigir o seu veículo.

Acompanhe a gente nesse artigo, e veja como Curitiba se tornou um exemplo de mobilidade urbana para diversas cidades no mundo.

Transporte público

A famosa rede integrada de transporte público de Curitiba foi criada na década de 1970, e sem dúvida, foi totalmente inovadora.

Esta forma de transporte é conhecida como ônibus de trânsito rápido, ou BRT (abreviação do inglês Bus Rapid Transit).

Apesar de não ter sido a pioneira, a capital paranaense sem dúvidas foi a cidade que melhor implementou os BRTs em sua rede integrada de transporte.

Jaime Lerner (1937-2021), prefeito da cidade na época, implementou na cidade uma frota de ônibus que levariam seus passageiros para diversos pontos da cidade por um preço baixo.

O projeto consistia em adquirir ônibus biarticulados e criar faixas exclusivas para eles em certos pontos da cidade.

Seu objetivo era criar uma rede integrada, onde um passageiro poderia ir para diversos pontos da cidade gastando pouco.

A ideia foi posta em prática em setembro de 1974, com as linhas expresso, que existem até hoje, porém, foram expandidas com o passar dos anos.

O projeto também visou a eficiência e a economia, tendo em vista que os gastos para a construção de uma linha de metrô na cidade seriam exorbitantes.

As linhas possuem vias próprias para os ônibus, e existem diversas estações tubo dispersas por toda ela, que servem para o embarque e desembarque de pessoas dos ônibus.

As canaletas, como são conhecidas estas vias, são exclusivas do transporte público curitibano e agilizam o caminho dos ônibus.

Mesmo se existir um congestionamento na cidade, as linhas de ônibus não serão afetadas.

A tarifa do ônibus é paga previamente, por isso, desta forma, acelera o processo de embarque e gera mais empregos, tendo em vista que cada estação-tubo tem um cobrador.

Este modelo de transporte atende as regiões Norte/Sul e Leste/Oeste da cidade.

Os expressos possuem a cor vermelha e são popularmente conhecidos como “vermelhões”.

Este tipo de BRT diminui muito o número de carros usados nos horários de pico, tendo em vista que são opções rápidas de transporte por possuírem vias exclusivas para transporte.

Desta forma, o número de congestionamentos na cidade é muito baixo em comparação com outras capitais do Brasil.

O projeto contribui muito para a mobilidade urbana da cidade.

Em 2011, foi implementado o “Ligeirão Azul”, que consistem em um biarticulado maior que o convencional.

Sua diferença é que ele para apenas em tubos grandes, onde o embarque e desembarque podem ser feitos pelas 5 portas do ônibus.

Algumas outras linhas de ligeirões também foram adicionadas a frota da cidade com o passar do tempo, como por exemplo, a linha Santa Cândida/Praça do Japão, Fagundes Varela/Pinheirinho, entre outras.

Além de contribuir com a mobilidade urbana, estas linhas novas aumentam o conforto dentro dos próprios ônibus, tendo em vista que distribuem os passageiros que muitas vezes buscam opções mais rápidas para os terminais.

Com esta distribuição, a superlotação dentro dos ônibus expressos vem diminuindo com o tempo.

Alternativas além do expresso

Além das linhas expresso, o transporte público de Curitiba ainda conta com:

  • Linhas diretas: popularmente conhecidos como “ligeirinhos”, foram criadas na década de 1990, e tem este apelido pois fazem poucas paradas. Sua criação também foi uma grande inovação na mobilidade urbana da cidade. Estes tipos de ônibus tem a cor cinza.
  • Alimentadores: existem mais de 200 tipos de ônibus alimentadores em Curitiba e sua capacidade é de até 80 passageiros. Sua cor é laranja e seu principal objetivo é conduzir os passageiros de uma determinada região para o terminal desta mesma área.
  • Interbairros: conhecidos pela sua cor verde, estes tipos de ônibus possuem as rotas mais longas da cidade, pois, geralmente seu trajeto passa por diversos pontos da cidade sem passar pela região central.

Com todos estes ônibus disponíveis na cidade, o número de carros certamente diminui na cidade, sendo assim, o transporte público de Curitiba tende a distribuir melhor a quantidade de pessoas que estão indo para uma mesma região.

Além dos ônibus, a Prefeitura local incentiva o uso das bicicletas como meio de transporte na cidade.

Curitiba conta com diversas ciclofaixas e bicicletários espalhados pela cidade, tornando a vida dos ciclistas mais fácil.

Apesar de não possui um modelo perfeito, a cidade ainda está muito a frente de outras capitais do Brasil e até mesmo do mundo.

Diversas pessoas já apresentaram projetos para melhoria da mobilidade urbana em suas cidades, e grande parte delas usam o projeto de Curitiba como exemplo de eficiência e sucesso!

MOBILIDADE CURITIBA

Siga o Mobilidade Curitiba no Twitter e Instagram e fique informado sobre a mobilidade urbana de Curitiba e Região Metropolitana.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui