Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba realiza seminário para debater as Ruas do Futuro

92
Ruas do Futuro
Foto: Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba
Publicidade

A Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba, realizou, na tarde desta quinta-feira, dia 11 de julho, o seminário “Ruas do Futuro: O papel das vias na qualidade de vida de uma cidade”.

O encontro foi realizado em parceria com a Associação Brasileira de Cimento Portland, e contou com palestras do engenheiro da Associação Brasileira de Cimento Portland, Alex Maschio, da professora da Universidade Federal do Paraná Márcia de Andrade Pereira Bernardinis e do engenheiro do Instituto Tecnológico de Transporte e Infraestrutura, Eduardo Ratton.

A abertura foi realizada pelo presidente da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba, Gilson Santos, que destacou, durante sua fala, a importância do debate para o planejamento das cidades.

Publicidade

“A qualidade de vida em uma cidade passa também pela discussão das suas vias urbanas, calçadas e ciclovias. É preciso buscar alternativas mais baratas, duradouras, seguras, que possibilitem a permeabilidade urbana e que tornem as cidades mais convidativas para sua população. O seminário de hoje teve este objetivo, além, é claro, de colaborar com o debate do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de Curitiba, que está sendo desenvolvido pela Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba.”

Para o engenheiro Alex Maschio, “é preciso trazer vida para as cidades, torná-las atraentes e, consequentemente, mais seguras, agradáveis e melhores. Diversas iniciativas nesse sentido já estão sendo realizadas em todo o mundo, mas diferente do que muitos pensam, isso não é exclusividade dos países de primeiro mundo. Já é possível ter essas tecnologias aqui. Já existem muitos exemplos bem sucedidos na Argentina, Bogotá e até mesmo aqui em Santa Catarina. Só precisamos conhecer e implementar. Esse é nosso objetivo”, destacou o engenheiro.

A professora Márcia de Andrade abordou a importância dos Planos de Mobilidade Urbana para o desenvolvimento das cidades, destacando a necessidade de que eles tornem as cidades mais integradas, inteligentes, seguras e sustentáveis.

Seminário Ruas do Futuro
Foto: Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba

“Precisamos compreender que a mobilidade urbana não depende apenas de um único modal como os automóveis, ônibus, bicicletas ou metro, e sim, da integração entre todos eles. Você pode, por exemplo, não ir ao trabalho de bicicleta, devido a distância. Mas pode ir de bicicleta até o terminal e de lá pegar um ônibus que te leve até o trabalho. Essa integração é fundamental. É a Mobilidade Urbana Sustentável. Um termo ainda pouco utilizado no Brasil”, destacou a professora.

Ao final, o engenheiro do Instituto Tecnológico de Transporte e Infraestrutura, Eduardo Ratton, trouxe diversos exemplos de estudos e trabalhos realizados pela Universidade em parceria com órgãos Municipais, Estaduais e Federais, buscando aproximar a academia da gestão pública.

A parceria com a Universidade traz diversos benefícios como a dispensa de licitação, a redução de custos, o expertise acadêmico, enfim, um conhecimento que não pode ser descartado e está à disposição da sociedade”, destacou.

O seminário é o primeiro dos eventos programados no Termo de Cooperação Técnica e Científica assinado entre Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba e Associação Brasileira de Cimento Portland, no início deste ano, e que busca a capacitação de técnicos em construções a base de cimento.

O objetivo, segundo Gilson Santos é “fazer com que os municípios conheçam alternativas de pavimentação e recebam um suporte técnico adequado, tanto na hora da escolha das tecnologias, quanto nos trâmites burocráticos da obra”.

O Termo de Cooperação terá duração de 24 meses e prevê, além da realização do seminário, um treinamento para utilização da plataforma Sistema de Convênios, um treinamento sobre soluções de pavimentação, uma visita técnica aos municípios do Vale Europeu, no Estado de Santa Catarina, para vivência de experiências de obras de requalificação urbana, além da disponibilização de profissionais para orientação e auxílio técnico, e material com orientações.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui